Nosso tempo junto

  Tanja Heffner/StockSnap


Tanja Heffner/StockSnap

Hoje saímos por aí de mãos dadas, eu e meu menino. Ele poderia ter seguido sua rotina na creche, que nessa época tem atividades diferentes, que ele adora, e eu poderia ter ficado presa em casa, nas minhas mil atividades de mãe-dona-de-casa-profissional-liberal, e teria sido uma tarde feliz, muito produtiva, mas fizemos diferente. Eu podia ter incluído no passeio o pequetito, seria uma aventura completa, mas hoje não. Ele foi pra creche, brincar com os amigos - e na semana que vem será a vez dele. Podíamos esperar o dia em que meu marido pudesse também nos acompanhar, dividir com a gente as alegrias de um programa em família, mas hoje saímos por aí de mãos dadas somente eu e meu menino.

A alegria disso começou ainda na semana passada, quando tive essa ideia e fizemos um combinado. Ficamos felizes assim, só de saber, tipo o pequeno príncipe, sabe? “Se tu vens, por exemplo, às quatro da tarde, desde as três eu começarei a ser feliz.” Hoje cedo, pouco depois de acordar, no meio da confusão “tira o pijama, escova o dente, vem tomar seu leite”, ele me pediu um abraço, num tom meio emotivo, e quando eu perguntei o que houve, ele disse baixinho “hoje é o nosso dia”. Durante toda a manhã, se eu olhasse pra ele e fizesse o olhar durar pelo menos dois segundos, ele sorria e esfregava as mãozinhas uma na outra, comemorando o porvir.

De tarde, quando o irmão e o pai foram cumprir suas agendas, fomos ao cinema, lanchamos juntos, mas isso não é o mais importante. Eu deixei o celular na bolsa, não fiz fotos pra provar (não queria correr o risco de me deixar interromper por mensagens e  notificações), mas tenho na minha memória o sorriso dele. Fomos andando pro cinema, sem pressa, com um solzinho leve de inverno sobre a gente, e ele me contou coisas que eu não sabia sobre a escola, apontou prum carro azul que passou me dizendo “acho lindo esse azul, quando crescer vou procurar um carro assim pra mim”, e concordou que a gente não devia comer pipoca no cinema, “pro lanche ficar mais gostoso depois”.

Lá pelas tantas, me falou sobre o medo que ele estava de experimentar um brinquedo novo, “porque precisa equilibrar, sabe?”, e eu falei com ele sobre o quanto era importante tentar, porque equilíbrio é uma coisa que a gente só tem se conhecermos os limites, e a hora de aprender é essa, "eu seguro a sua mão". E aí, sem mais nem menos, me perguntou se eu estava bem. “Heim?” “Quero saber se você está feliz que nem eu…” Ah, se ele soubesse como andam juntas essas coisas…

Leia também: