Feliz aniversário, mamãe!

 Jonasginter via VisualHunt.com  

Jonasginter via VisualHunt.com  

Faz hoje cinco anos que me tornei mãe. Estamos de parabéns! Claro que essa é uma data simbólica, porque tecnicamente eu passei a ser mãe antes, em algum momento que eu não sei precisar, entre janeiro e fevereiro de 2011. Mas, nove meses depois, ele nasceu. Vivi muitas emoções ao longo da gravidez, mas nada comparado ao que senti quando ele nasceu e em muitos outros dias que se seguiram. Minha gravidez foi saudável, feliz, sem percalços. Muito bom. Mas maravilhoso foi, em 18 de outubro de 2011, olhar nos olhos dele pela primeira vez. Lembro como se fosse hoje, no café da manhã.
 
Cinco anos se passaram e... vejamos: ganhei muitos fios de cabelo branco. Perdi noites de  sono, ganhei uma tonelada de beijos e joguei por terra uma centena de teorias que tinha, prontinhas, naquele dia 18. Vi que não é bem assim. Renovei tudo, multipliquei tudo. Aprendi muito! Aprendi com ele, aprendi com as crianças que passaram a me cercar por causa dele, aprendi com as mães destas crianças, que passei a observar por causa dele, aprendi com a minha mãe (e a minha sogra!), que passou a me enxergar de outra forma por causa dele. Aprendi que muita coisa não era como eu pensava, mas que muitas outras podem ser exatamente como eu sonhei. 

Há dois anos, a mãe que eu nasci precisou se reinventar, porque chegou o pequetito, também em outubro, numa tarde de quinta-feira. Lembro do último banho de que tomei com ele na barriga, pensando no tamanho do que estava por vir. Tão mais fácil e tão mais difícil, porque eu sabia onde estava pisando. E o molde de um não serve no outro, e virei mãe de novo, mãe daquele outro menino, que tem outras demandas, outras potências, outro jeitinho de segurar a minha mão.  

Cinco anos atrás, eu ficava acordada até tarde vendo séries na TV e imaginando onde eu estaria em 2016. Como é que vai ser? Será que já vai ter chegado mais gente? E como será a voz deles? Eles vão me chamar de mãe ou de mamãe? Quais serão suas brincadeiras favoritas? E que gosto vai ter tudo isso? Tem gosto de brigadeiro. Ou melhor: de bolo de chocolate com recheio de morango - muito doce, com um amargozinho aqui ou ali, pra dar charme. Igualzinho ao que eu fiquei fazendo ontem, até tarde da noite, para que ele pudesse hoje festejar o aniversário na escola. Também imprimi, recortei e montei máscaras de herói para todos os amigos, “porque essa é a melhor brincadeira”. Não deu tempo de assistir a TV.

Leia também: